teste de js
Docs. selecionados:

Pesquisa Avançada
Voltar aos arquivos



Info

Partido Socialista
A Fundação Mário Soares e o Partido Socialista estabeleceram um protocolo de cooperação em matéria de preservação e digitalização de documentação histórica relevante, permitindo a constituição de um acervo documental que retrata aspectos fundamentais da fundação daquele partido político em 19 de Abril de 1973 e da actividade dos seus órgãos e organizações, incluindo numerosos exemplares da respectiva imprensa.
No âmbito desta colaboração foi, designadamente, produzido, em 1999, um CD-ROM intitulado "Fontes para a história do Partido Socialista", contendo a edição de documentos marcantes da história deste Partido. Em 2004, foi igualmente publicado um CD-ROM com a reprodução da imprensa desse partido editada no exílio.

Instituição
Fundação Mário Soares

Nota biográfica/Institucional
No dia 19 de Abril de 1973, na cidade alemã de Bad Munstereifel, militantes da Acção Socialista Portuguesa (ASP), idos de Portugal e de diversos núcleos no estrangeiro, reunidos em Congresso, aprovaram a transformação da ASP em Partido Socialista.
Na sequência da transformação da ASP em Partido Socialista, foram iniciados os trabalhos de redacção do respectivo Programa e Declaração de Princípios, que foram aprovados em Paris, nos finais de Agosto de 1973.
Após o 25 de Abril de 1974 o Partido Socialista conheceu um significativo crescimento, reformulando e consolidando a sua estrutura organizativa. Os seus estatutos e programas, o modo de organização e a eleição dos corpos gerentes foi evoluindo em função do debate interno no partido, bem como das conjunturas políticas. Os sucessivos Congressos do PS têm sido um dos principais instrumentos de expressão das bases partidárias e de debate de ideias e definição de linhas programáticas.
No que respeita ao papel do PS na política portuguesa do pós 25 de Abril de 1974, esta remonta logo ao I Governo Provisório. Mário Soares ocupa a pasta de Ministro dos Negócios Estrangeiros, e outros militantes do PS terão também funções governativas. O partido terá também representação nos II, III e IV Governos Provisórios, saindo vitorioso em 1975 nas eleições para a Assembleia Constituinte.
As primeiras eleições para a Assembleia da República, em 25 de Abril de 1976, dão também a vitória ao PS, situação que se repetiria nas primeiras eleições autárquicas realizadas em período constitucional, em Dezembro de 1976.
I Governo Constitucional, chefiado por Mário Soares, irá implementar uma série de importantes reformas, sendo, contudo, derrubado no parlamento, em finais de 1977, após rejeição de uma moção de confiança. Mário Soares será ainda encarregue de formar o executivo seguinte, que resultará de um acordo entre o PS e o CDS, e que se manterá em funções até Agosto de 1978, e ao qual se seguirão três governos de iniciativa presidencial.
Entre 1980 e 1983 a actividade do PS será marcada pela oposição aos sucessivos governos da AD, uma coligação entre o PSD, o CDS e o PPM.
Nas eleições legislativas de 1983 o PS irá conquistar uma maioria simples, e após consulta aos seus militantes, é formado um governo de coligação com o PSD, que ficou apelidado de “Bloco Central”. Este governo, o IX do período constitucional, chefiado por Mário Soares, durará até 1985, sendo durante a sua vigência que se preparou a entrada de Portugal na CEE.
Na sequência de desentendimentos entre ambos os partidos, o Bloco Central entra em ruptura e o PSD irá vencer as eleições legislativas de Outubro de 1985. O seu novo líder, Cavaco Silva, será chamado a formar governo, renovando a sua vitória, por maioria absoluta, em 1987 e 1991.
O PS regressará ao governo em 1995, sob a liderança de António Guterres, que também venderá as eleições legislativas de 1999. Após a renúncia de Guterres na sequência da derrota do PS nas eleições autárquicas de Dezembro de 2001, o PSD voltará a sair vitorioso nas eleições seguintes,
O PS voltará a formar executivo em 2005, liderado por José Sócrates, que governará com maioria absoluta, sendo a primeira vez que tal acontecia para o PS desde o 25 de Abril. Sócrates seria reconduzido em 2009, embora sem maioria absoluta. A grave crise económica que entretanto se instalou, ditou a sua demissão em 2011, na sequência da rejeição no parlamento do Plano de Estabilidade e Crescimento, designado de PEC IV.
As eleições legislativas de 5 de Julho de 2011, acabarão por ser vencidas pelo PSD de Pedro Passos Coelho.
Desde o 25 de Abril de 1974 o PS teve igualmente dois dos seus membros eleitos para o cargo Presidente da República: Mário Soares e Jorge Sampaio. Ambos exerceram dois mandatos de cinco anos cada um, num período consecutivo de Fevereiro de 1986 a Março de 2006.