teste de js
Docs. selecionados:

Pesquisa Avançada
Voltar aos arquivos



Info

Colecção FMS/António Pedro Vicente
O Prof. Doutor António Pedro Vicente organizou, ao longo de vários anos, uma extensa colecção iconográfica relacionada com a I República, que veio a ser adquirida pela Fundação Mário Soares, e está hoje integralmente inventariada e fotografada.
Fazem parte desta colecção bustos, bandeiras, fotografias, postais, gravuras e ilustrações diversas, selos, moedas e medalhas, além de numerosos objectos de variado uso. Cada um dos espécimes que a integram constitui uma inesgotável fonte de informação da mais variada natureza, desde a sua concepção, produção e utilização, até aos acontecimentos e personalidades que evocam, mostrando aspectos até aqui quase desconhecidos da nossa vida colectiva do primeiro quartel do século XX.
Pode dizer-se que a política comanda esta colecção – ela e as suas personagens movem-se, aparecem e desaparecem, ao sabor da vida política e social do nosso país. Mas importa, também, sublinhar que esse intenso pulsar da vida política, presente nesta colecção, se refere e retrata quase exclusivamente as elites que comandam os acontecimentos – raramente se pressente a vida dos pobres e dos desvalidos, notoriamente ausentes da ribalta.
É uma colecção política, de cariz essencialmente republicano e que representa alguns dos traços e dos instrumentos essenciais da propaganda, tal como se configurou nas primeiras décadas daquele século XX – ainda que nela figurem igualmente exemplos interessantes da iconografia da família real e da ditadura de Sidónio mais e, mesmo, do Estado Novo, sem esquecer alguns materiais oriundos de movimentos oposicionistas
Neste âmbito, merecem referência algumas questões centrais: o uso crescente das novas técnicas fotográficas e de impressão; a introdução da propaganda política em áreas como a numismática ou a filatelia; o recurso frequente à sátira, já utilizada durante a monarquia, mas que explode na vigência do regime republicano; a introdução de elementos propagandísticos em objectos de uso doméstico; a frequente produção de muitos desses materiais por iniciativa de personalidades, empresas e colectividades; a utilização de imagens dos principais líderes republicanos enquanto propaganda e, mais tarde, visando a estabilização da imagem pública do novo poder; e o carácter essencialmente iconográfico de todos estes instrumentos de agitação e propaganda, concebidos à medida de uma população com uma taxa de analfabetismo superior a 75%.
Sendo esta colecção complexa e temporalmente muito diversificada, entendemos apresentá-la organizada tematicamente. Assim, cada tema reúne espécies em diferentes suportes. Cremos, deste modo, contribuir para melhor transmitir a própria natureza da propaganda e da iconografia da época, quer nos finais da monarquia, quer após a implantação do regime republicano. Na verdade, imagens similares eram, com frequência, utilizadas em diferentes suportes e mesmo em diferentes épocas.
A colecção inicia-se, assim, pelo momento fundador da República e pelos seus principais símbolos (os bustos e a bandeira nacional). Depois, apresenta-se a iconografia de divulgação dos principais dirigentes republicanos e os materiais de propaganda, incluindo alguns posteriores à queda da República. Seguem-se a iconografia relacionada com a I Guerra Mundial e abundantes ilustrações de sátira política e social. Finalmente, em função da natureza dos respectivos suportes, encontram-se as espécies numismáticas, medalhísticas e filatélicas.
Esta organização permite mostrar na sua plenitude uma colecção que, pelas suas próprias características, dificilmente se conteria numa estrita organização cronológica ou tipológica.

Instituição
Fundação Mário Soares

Nota biográfica/Institucional
António Pedro Vicente é professor universitário e historiador, com numerosas obras publicadas, de que se destacam estudos aprofundados sobre a Guerra Peninsular e aspectos marcantes da I República. Filho do advogado e pintor Arlindo Vicente, que foi candidato à Presidência da República no tempo da Ditadura e por isso perseguido e preso pelo regime de Salazar.
É simultaneamente coleccionador de iconografia republicana, desde a juventude e, também, equipamento fotográfico.