teste de js
Docs. selecionados:

Pesquisa Avançada
Voltar aos arquivos



Info

José Tristão de Bettencourt
Os documentos José Tristão de Bettencourt dizem respeito, na sua grande maioria, ao período relativo à sua passagem como Governador-Geral de Moçambique. Assim, para além de um grande número de fotografias oficiais, boa parte das quais devidamente identificadas no verso, esta documentação integra ainda inúmeros relatórios e correspondência oficial, quer com as diferentes entidades da administração da colónia, quer com o Ministério das Colónias em Lisboa. Assim, em termos de organização documental, optou-se por uma divisão cronológica, tendo como principal baliza o período de 1940-1946 (em que Tristão de Bettencourt foi Governador-Geral de Moçambique), autonomizando-se, contudo, tipologias documentais específicas (correspondência não oficial, fotografias, imprensa, documentos pessoais) que, pela sua natureza, não estão directamente relacionadas com as funções profissionais assumidas por José Tristão de Bettencourt.
O espólio de José Tristão de Bettencourt foi adquirido por intermédio do Prof. Doutor José Mariano Gago e do Dr. Luís Almeida Gomes, sendo depositado na Fundação Mário Soares, que o reproduziu digitalmente e procedeu à sua descrição e classificação.
Em Setembro de 2015, a documentação original, constituída por 12 pastas de documentos, 2 caixas de fotografias e 1 caixa de grande formato, e a respectiva cópia em formato digital, reunindo 7.883 imagens/objectos digitais, são entregues ao Arquivo Histórico de Moçambique.

Nota biográfica/Institucional
José Tristão de Bettencourt (1880-1954), foi um oficial do exército que assumiu, ao longo da sua carreira, diversos cargos ligados à administração colonial, designadamente em Moçambique. Assim, de 1916 a 1917, foi sub-Chefe do Estado-Maior do Quartel-General de Moçambique, em 1921 Governador do Distrito de Inhambane (Moçambique), de 1922 a 1928 foi Chefe do Estado-Maior do Quartel-General de Moçambique e por fim, após graduação em Brigadeiro e General (1939), foi Governador-Geral de Moçambique (1940 a 1946). Paralelamente, foi em 1926 Chefe de Gabinete do Ministro das Colónias e em 1928 chega a ser nomeado Ministro, cargo para o qual se recusa a tomar posse. Foi igualmente membro do Conselho Fiscal do Banco Nacional Ultramarino, vogal do Conselho Superior das Colónias e vogal do Conselho do Império Colonial. Após passar à situação de reserva em 1945, por limite de idade, foi procurador à Câmara Corporativa, onde se manteve nas IV e V legislaturas, até 1953, vindo a falecer no ano seguinte.

Dimensão
12 pastas de documentos, 2 caixas de fotografias e 1 caixa de grande formato

Estado de Tratamento
Integralmente digitalizado e classificado.