teste de js
Docs. selecionados:

Pesquisa Avançada
Voltar aos arquivos



Info

Teófilo Carvalho dos Santos
O acervo Teófilo Carvalho dos Santos (1906-1986) é constituído por uma grande diversidade de documentos que ilustram vários aspectos da oposição ao regime do Estado Novo, em que o seu detentor participou activamente desde muito cedo.
Neste fundo encontram-se documentos referentes, por exemplo, às campanhas eleitorais de Norton de Matos, Humberto Delgado e Quintão Meireles, e à actividade da oposição democrática na campanha para as eleições legislativas de 1969. Vária documentação diz respeito às inúmeras actividades políticas em que Teófilo Carvalho dos Santos esteve envolvido, nomeadamente o MUNAF, o MUD, a ASP e o PS.
Relativamente ao período do pós 25 de Abril de 1974, o acervo contém vários discursos de Teófilo Carvalho dos Santos e documentação inerente à sua actividade na Assembleia da República.
Tendo a sua actividade profissional radicada em Alenquer, é ainda possível encontrar neste acervo diversa documentação relativa a esta cidade e região envolvente.

Instituição
Fundação Mário Soares

Nota biográfica/Institucional
Teófilo Carvalho dos Santos nasceu em Almeida a 4 de Setembro de 1906, filho de Joaquim Carvalho dos Santos e Gracinda dos Reis Carvalho.
Estudou em Lamego e em Viseu, ingressando na Universidade de Lisboa, onde se formou em Direito em 1932, desenvolvendo intensa participação nas greves académicas contra a ditadura. Eleito representante dos estudantes ao Senado Universitário.
Iniciado em 1931 na Maçonaria, adoptando o nome simbólico de Caçoila, atingiu, em 1985, o grau 33. Enquanto revolucionário activo e permanente, entrou em todos os movimentos que intentaram restaurar a Democracia em Portugal, fazendo em muitos deles a ligação entre os sectores civil e militar.
Elemento entusiasta dos movimentos da Oposição Democrática, Teófilo Carvalho dos Santos participou no MUNAF e foi um dos promotores da reunião no Centro Almirante Reis, onde foi criado o Movimento de Unidade Democrática (MUD), para cuja Comissão Central foi eleito. Interveio activamente em todas as campanhas eleitorais da oposição para a Presidência da República, sendo também candidato oposicionista às eleições legislativas de 1969 (CEUD) e 1973 (CDE).
Preso pela polícia política diversas vezes, foi um dos fundadores do jornal clandestino "Tarrafal", estando presente em todos os movimentos que antecederam a Acção Socialista Portuguesa, que, em 19 de Abril de 1973, deu lugar ao Partido Socialista. Radicado em Alenquer, exerceu sempre a profissão de advogado.
Após 25 de Abril de 1974, foi membro da Comissão Política Nacional do PS, sendo eleito, em 1975, deputado à Assembleia Constituinte. Sucessivamente eleito deputado à Assembleia da República nas listas do Partido Socialista, veio a desempenhar as funções de Presidente daquele órgão de soberania de Outubro de 1978 a Janeiro de 1980. Agraciado com a Ordem Militar de Cristo e com a Ordem da Liberdade. Faleceu a 24 de Março de 1986. Em 10 de Junho de 1993, foi-lhe atribuída, a título póstumo, a medalha de ouro do Município de Alenquer "por serviços excepcionais".

Dimensão
Este fundo é composto por 25 pastas de arquivo, o que perfaz, aproximadamente 2.25 metros lineares.

Estado de Tratamento
Parcialmente tratado.