teste de js
Docs. selecionados:

Pesquisa Avançada
Voltar aos arquivos



Info

Guida Lami
A documentação de Guida Lami Dias da Silva foi por si depositada na Fundação Mário Soares, para efeitos de reprodução digital, no dia 6 de Setembro de 2001, em resposta ao apelo lançado por esta instituição de recolha de documentação para a produção de um Cd-rom sobre a vida e obra de Bento de Jesus Caraça, no centésimo aniversário do seu nascimento. Posteriormente viriam a ser incorporados outros documentos, entre Março e Julho de 2011 e em Julho de 2013.
Esta colecção de documentos situa-se entre as datas limites de 1898 e 2005, embora a maior parte se relacione com a sua actividade política e científica (c.1935 a 1948), tendo sido produzida no contexto da sua colaboração com Bento de Jesus Caraça e um círculo de amigos com quem partilhava a paixão pela matemática, a divulgação científica, e os ideais humanistas.
Este fundo é composto por uma colecção de fotografias de família, amigos e viagens, obtidas entre 1933 e 1942, contando com diversas fotografias dos passeios à Serra da Estrela, local onde nasceu a "Comuna Estrela" em 21 de Agosto de 1940, criada por Bento de Jesus Caraça e Guida Lami, entre outros. Compreende ainda um conjunto de documentos avulsos, entre os quais uma carta de José Rodrigues Miguéis e algumas páginas com assinaturas das listas do MUD, além de correspondência diversa. Foram entregues com a documentação três objectos, sendo de destacar uma pulseira em osso da autoria de um internado no Campo de Vernet, e alguns livros.
Integra ainda este acervo um núcleo de documentação produzida por Maria Alice Lami, e guardada pela sua irmã Guida Lami, que contém essencialmente documentos relacionados com a sua actividade profissional, ligada ao património e museologia, e correspondência familiar, destacando-se um conjunto de cartas remetidas por Maria Alice a sua mãe Carlota Lami.


Instituição
Fundação Mário Soares

Nota biográfica/Institucional
Nasceu em Lisboa, filha de Álvaro Palma Lami e de Carlota Peixoto de Almeida Lami. A família partiu para França no mesmo ano, pois o seu pai, oficial da Marinha, tinha sido aí colocado aquando da participação de Portugal na I Guerra Mundial. Mais tarde regressou a Portugal para prosseguir os estudos, onde ingressou no Instituto Superior Técnico e se licenciou em Engenharia Electrotécnica, sendo a primeira mulher a formar-se nesta área em Portugal.
Fez parte da Associação Feminina Portuguesa para a Paz, fundada em 1940, instituição através da qual iniciou, juntamente com a sua irmã Maria Alice Lami, um programa de auxílio aos prisioneiros dos campos de internamento do sul de França e da Argélia, sob a direcção de Bento de Jesus Caraça. Foi membro fundador da Sociedade Portuguesa de Matemática, surgida a 12 de Dezembro de 1940. Colaborou com Bento de Jesus Caraça em diversos trabalhos, designadamente na execução da parte gráfica dos Conceitos Fundamentais da Matemática, cujas primeiras duas partes foram publicadas na Biblioteca Cosmos, em 1941 e 1942, ainda em vida do seu autor. Ainda estudante leccionou o curso “Energia Atómica para Operários”, na Universidade Popular Portuguesa. Foi também uma das assinantes das listas do Movimento de Unidade Democrática (MUD).
No seu 4.º ano de curso Guida Lami realizou um colóquio sobre os Problemas Clássicos de Geometria, na sequência do intensificar da actividade matemática no Instituto Superior Técnico, o qual se deveu, em grande parte, aos esforços da Sociedade Portuguesa de Matemática de incluir nas suas iniciativas a colaboração dos estudantes. Participou activamente nos colóquios realizados por estudantes do Instituto Superior Técnico, e foi convidada pela Redacção da Gazeta de Matemática para responsável da Secção Clubes de Matemática.
No decurso da sua vida profissional foi Directora dos Serviços Internacionais da Direcção Geral da Energia e Secretária Geral da Associação Portuguesa de Energia, associação constituída em 20 de Junho de 1988 (com a denominação CNP-CME Comissão Nacional Portuguesa da Conferência Mundial da Energia), da qual é ainda hoje sócia singular.
As suas publicações refletem tanto o interesse pelo contributo de Bento de Jesus Caraça como pelo tema da Energia. Em 2001 participou na publicação Bento Jesus Caraça: perspectivas sobre o homem e a obra, da autoria do Instituto Politécnico da Guarda, com os artigos “Ah, não gosta de Matemática, então vai passar a gostar” e “Conceitos fundamentais da Matemática: algumas reflexões sobre o seu conteúdo e alcance pedagógico”. Em 2004 publicou o artigo "Ética em Energia" na obra Engenharia em Portugal no século XX, coordenada por Manuel Heitor, José Maria B. Brito e Maria Fernanda Rollo.
Mais tarde participou no colóquio comemorativo Os 70 anos dos Conceitos Fundamentais da Matemática de Bento de Jesus Caraça, em representação da Sociedade Portuguesa de Matemática, com a comunicação intitulada "Conceitos Fundamentais da Matemática: algumas reflexões sobre o seu conteúdo e alcance pedagógico", que teve lugar no Instituto para a Investigação Interdisciplinar da Universidade de Lisboa, em 25 de Outubro de 2012.

Dimensão
5 pastas