Pesquisa Avançada
Voltar aos arquivos



Info

Pedro Verona Pires
Este fundo é constituído por documentação produzida e reunida por Pedro Verona Pires no âmbito da sua atividade militar e política.
Além de incluir parte da correspondência recebida por Pedro Pires enquanto Comandante do PAIGC na Frente Sul, entre 1969 e 1973, o acervo em questão reúne sobretudo documentação relativa ao desempenho de funções como Chefe da Delegação do PAIGC no processo negocial com Portugal, em 1974, nomeadamente das conversações de Londres e Argel, onde foi acordado o cessar-fogo e negociados os termos da independência da Guiné-Bissau e o direito à autodeterminação e independência de Cabo Verde, assim como documentação referente ao encontro entre o PAIGC e o comando militar português em Conacri.
Compreende ainda um conjunto de documentos referentes à atividade do MFA na Guiné-Bissau e à retração militar portuguesa no mesmo território.

Instituição
Fundação Mário Soares

Nota biográfica/Institucional
Pedro Verona Rodrigues Pires nasceu em São Filipe, na ilha do Fogo, em 29 de abril de 1934.
Frequentou o ensino básico e secundário em Cabo Verde, tendo a sua infância sido marcada por graves secas e pela fome que perpassou pelo arquipélago durante a década de 40 do século passado.
Em 1956 foi estudar para Lisboa, frequentando a Faculdade de Ciências, período em que também conviveu com alguns dos futuros líderes dos movimentos de libertação das colónias portuguesas. Impedido de concluir os seus estudos, por ter sido convocado o serviço militar, na Força Aérea Portuguesa, e com o início da luta armada em Angola, em 1961, decide deixar Portugal. Abraça a causa da independência cabo-verdiana integrando o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC).
Após o 25 de Abril de 1974 em Portugal, foi o representante de Cabo Verde nas negociações do processo de independência e descolonização. Depois da Declaração, em 5 de Julho de 1975, foi designado primeiro ministro da República de Cabo Verde, cargo em que se manteve até 1991, ao lado de Aristides Pereira como Presidente.
Em 1991 perdeu as primeiras eleições multipartidárias para Carlos Veiga, líder do MpD - Movimento para a Democracia.
Manteve-se ativo no Partido Africano para a Independência de Cabo Verde (PAICV), que se separara do PAIGC no início de 1981, na sequência de um golpe militar na Guiné Bissau.
Em 2001 candidatou-se à Presidência da República, vencendo as eleições contra Carlos Veiga, por apenas 17 votos de diferença. Voltou a ser reeleito em 2006, e exerceu o cargo de Presidente até 9 de setembro de 2011.
Após deixar a Presidência de Cabo Verde, foi o vencedor do Prémio Ibrahim de Excelência na Liderança Africana, em outubro de 2011.
Atualmente é Presidente da Fundação Amílcar Cabral, presidindo igualmente à Instituição Pedro Pires para a Liderança, em Cabo Verde.

Dimensão
5 unidades de instalação

Estado de Tratamento
Integralmente tratado